Ágil precisa ser os dois: iterativo e incremental

rodrigo-zambon-mundo-agil-agile-iterativo-incrementalBom, o guia Scrum nos fala que “O Scrum emprega uma abordagem iterativa e incremental para aperfeiçoar a previsibilidade e o controle de riscos.”, mas o que vem a ser uma abordagem iterativa e incremental.

Muita gente usa estas palavras sem saber a correta definição. O texto abaixo publicado no site do Mike Cohn é um bom referencial para entendermos a diferença dos termos.

Boa leitura!

O texto abaixo foi originalmente publicado no informativo mensal de Mike Cohn. Se você gostar do que você vai ler, faça sua inscrição para ter este conteúdo entregue na sua caixa de entrada antes de ser postado no Blog.

Scrum, como todos os processos ágeis, é iterativo e incremental. Uma vez que estas palavras são usadas com muita frequência e sem definição, vamos defini-las.

O processo iterativo é aquele que progride através de refinamentos sucessivos. A equipe de desenvolvimento apresenta uma parte de um sistema, ciente de que está incompleto ou deficitário em algumas (talvez muitas) partes. A equipe então refina estas partes até o produto apresentar um nível satisfatório. A cada iteração, o software é melhorado através da adição de um maior nível de detalhe.

Por exemplo, numa primeira iteração, uma tela de pesquisa pode ser codificada para suportar apenas o tipo mais simples de pesquisa. A segunda iteração pode adicionar critérios de pesquisa adicional. Finalmente, uma terceira iteração pode adicionar tratamento de erros.

Uma boa analogia, é escultura. Em primeiro lugar, o escultor seleciona uma pedra de tamanho apropriado. Em seguida, escultor vai esculpir a forma geral na pedra. Neste ponto, pode-se talvez distinguir a cabeça e o torso, e discernir que o trabalho final será o de um corpo humano e não de um pássaro. Em seguida, o escultor refina seu trabalho adicionando detalhes. No entanto, o escultor não vai ter nenhuma área completa até todo o trabalho estar completo.

O processo incremental é aquele em que o software é construído e entregue em pedaços. Cada peça, ou incremento representa um subconjunto completo de funcionalidades. O incremento pode ser pequeno ou grande, talvez variando de uma simples tela de login a um conjunto altamente flexível de telas de gerenciamento de dados.

Cada incremento é totalmente codificado e testado, e a expectativa comum é que o trabalho de uma iteração não precisará ser revisitado. Um escultor incremental iria pegar uma parte do trabalho e se concentrar inteiramente sobre ele até que seja concluído. Ele pode selecionar pequenos incrementos (primeiro o nariz, olhos, boca e assim por diante) ou grandes incrementos (cabeça, tronco, pernas e depois os braços). No entanto, independentemente do tamanho do incremento, o escultor incremental tende a terminar esse trabalho completamente.

Scrum e Ágil são tanto incrementais, quanto iterativos. Eles são iterativos quando se planeja o trabalho de uma iteração, para ser melhorado em iterações subsequentes. Eles são incrementais porque o trabalho concluído é entregue ao longo do projeto.

Para melhor ilustrar as diferenças entre iterativo e incremental, vamos considerar a construção de um site de forma iterativa, mas não de forma incremental. Para fazer isso, a equipe iria construir um pouco de cada parte do site – alteração de perfil, busca, anúncios, etc. A equipe, então, vai rever todas as partes, melhorando cada uma delas.

A equipe deve rever todas as partes, aplicando as melhorias, desta forma todo o site está ficando um pouco melhor.

Em seguida, vamos considerar o desenvolvimento do mesmo site com uma abordagem puramente incremental, não um processo iterativo. Se um site de namoro fosse construído de forma incremental, o time iria construir um perfeito sistema de gerenciamento do perfil antes de começar qualquer outra parte do site. Depois, eles então, iriam construir a segunda área – pesquisa – e passariam para a terceira área. Cada área funcional concluída deve ficar perfeita, antes de se iniciar a próxima.

Nem iterativo e nem incremental são bons isoladamente. Mas juntos – como eles estão no Scrum – são fantásticos.

Texto Original: https://www.mountaingoatsoftware.com/blog/agile-needs-to-be-both-iterative-and-incremental

Servidor Efetivo do Governo do Estado do Espírito Santo. Hoje eu sou Gerente de Processos de Projetos da Secretaria de Gestão e Recursos Humanos. Integro o time de Transformação Digital do Governo e sou responsável pelo Escritório Central de Processos. Sou agilista de coração e de profissão.

Revolução ágil

rodrigo-zambon-mundo-agil-agile-revulocao-agilComo você está gerenciando seus projetos? Eles estão ocorrendo forma de simples e leve ou você está apegado a planos e mais planos desatualizadoss, documentos desnecessários e reuniões intermináveis? Sinto muito, mas se você conduz projetos assim, está correndo um sério risco de ficar obsoleto.

É verdade que a natureza do trabalho está mudando. Os modelos startups estão aí para nos mostrar exatamente isso. A criatividade e a inovação são características destas empresas que buscam atender o cliente rapidamente e ao menor custo possível. Ou seja, interpretam o mercado, identificam necessidades e respondem com muito mais rapidez. As grandes corporações criam suas próprias startups, para responder com agilidade questões pontuais, pois a estrutura pesada e burocrática não fornece condições.

Os novos produtos ou serviços lançados por startups muitas vezes são oferecidos a um custo mais baixo e com qualidade equiparada. A disrupção ocorre quando estas empresas atingem fatias de mercado ora negligenciadas, criando um mercado totalmente novo. Recentemente o Institulo Gallup publicou que apenas 29% dos consumidores são fieis as organizações. Os outros 71% estão abertos a consumir em qualquer outro lugar.

Criar novos mercados e novas soluções em cenários como os de hoje é um desafio. O mundo do desenvolvimento de produtos é cada vez mais dinâmico e incerto e geralmente os erros ocorrem porque somos lentos demais nas tomadas de decisões. A inércia dos líderes de projetos pode custar caro na hora de decidir.

O Gerenciamento de Projetos precisa passar por uma transformação, para responder mais rápido as mudanças e atender as expectativas de um cliente que é influenciado diariamente pelo mercado, seja através de novas ofertas e soluções inovadoras. Precisamos resistir à tentação de colocar mais um artefato, mais um documento, mais uma planilha que em muitos casos não agrega valor no produto a ser entregue.

Formulários de controle de mudanças, comitês gestores, escritórios de projetos com indicadores desnecessários, e por aí vai, torna-se um caminho muito longo para um possível aceite de uma mudança. Pode ser que quando finalmente for aceita, já tenhamos que mudar de novo. O quadro atual não vai esperar você percorrer esse caminho.

Na fase de planejamento temos um outro agravante: será que precisamos ter todos os detalhes na fase inicial para começar a executar? Acredito que não. Coletar requisitos e ouvir as expectativas dos clientes é extremamente importante, mas o mais importante são os feedbacks iniciais para direcionar sempre o projeto para o sucesso. Requisitos mudam, e a mudança é muito bem-vinda, caso seja para gerar mais valor para o cliente.

Por último, seja criterioso na escolha do líder do projeto. Ele não pode mais ser escolhido aleatoriamente, não pode ser aquele funcionário cumpridor da burocracia, seguidor de um plano muitas vezes obsoleto. Não pode mais ser uma pessoa cumpridora de cronograma. Uma qualidade essencial é saber manejar a sua equipe, reconhecer que não conseguirá fazer nada sozinho e que times motivados entregarão melhores resultados. Uma outra qualidade é ter destreza para remover os obstáculos que impedem seu time de alcançar os objetivos.

O pensamento adaptativo, e a flexibilidade irão ajudar você a mudar seu modelo mental do tradicional ao ágil.

Servidor Efetivo do Governo do Estado do Espírito Santo. Hoje eu sou Gerente de Processos de Projetos da Secretaria de Gestão e Recursos Humanos. Integro o time de Transformação Digital do Governo e sou responsável pelo Escritório Central de Processos. Sou agilista de coração e de profissão.

PNL: Lidando com equipes de alto desempenho

rodrigo-zambon-mundo-agil-agile-lidando-times-ageis-desemepnhoEsse artigo tem a finalidade de mostrar e valorizar o trabalho em equipe. Para isso o alinhamento dos membros do time deve estar bem centrado e focado. Cada vez mais no mundo contemporâneo o trabalho em equipe torna-se necessário em decorrência da segmentação das atividades. Cada membro da equipe tem seu papel definido por um líder e cabe a ele acompanhar de perto o desempenho de seus colaboradores. O papel do líder é fundamental para garantir o bom andamento do projeto e gerenciar crises que certamente aparecerão no decorrer das atividades.

Time unido: vitória de todos.

O trabalho em equipe hoje é condição fundamental para se atingir metas e objetivos dentro de uma organização. A segmentação do trabalho trouxe para dentro de nossas organizações uma nova exigência: a união de pessoas diferentes em grupos para a realização do trabalho. Com isso muitos times foram formados nas empresas e locais de trabalho para se obter a garantia de que a continuidade do trabalho seria mantida e que cada membro do time pudesse ter o seu reconhecimento. Ao término de uma atividade cada um teria sua participação no produto final.

Saber trabalhar em equipe é um desafio.  A união de pessoas de diversas áreas e setores juntas pode ocasionar em primeiro momento uma crise gerada pela mudança e pela transformação do trabalho que antes era feito de uma forma e agora será feito de outra. A mudança repentina dentro das organizações é vista como ameaças e muitas vezes maléficas aos interesses pessoais. Cabe ao líder mostrar o outro lado. A mudança muitas vezes é uma forma de reinventar o trabalho e consequentemente a nós mesmos.  Sair de nosso status quo requer esforço, concentração e muita disciplina e esse espírito de transformação deve estar presente em todo o time. Deixar o velho para trás, o antigo trabalho, a antiga equipe é sem dúvida uma forma de crescimento e vem provar que temos todos os recursos que precisamos para vencer situações.

Cada membro do grupo se apresenta com critérios e hábitos diferentes.  Emoções, valores, cultura e traços sociais são itens que muitas vezes estão secretamente guardados e não estão visíveis, porém devem ser explorados ao máximo para que as diferenças possam ser minimizadas. A tarefa do líder aqui é ser um mediador. Cabe a ele enxergar além do que seus olhos possam ver. Se um líder fica centrado apenas em completar a tarefa e não se preocupa com a carga emocional presente na sua equipe, o trabalho pode demorar mais que o previsto para ser concluído ou mesmo pode haver a troca de integrantes dessa equipe por despreparo e falta de validação pelo gestor.

Reconhecendo valores

Os líderes de equipes precisam acima de tudo gostar de estar nessa posição; e em segundo lugar gostar de pessoas, além é claro de ser competente e capaz para gerir.

Gostar de pessoas e fazer com que elas façam o que você deseja é um exercício de paciência e influência que deve ser trabalhado a todo momento. O poder e a coação nem sempre são a melhor maneira de conseguir o que quer.  Ao entrar em uma negociação com um colega de trabalho esteja sempre aberto a conceder e a reconhecer as qualidades do outro. Use a escuta ativa, ouça sem julgamentos e apenas acompanhe para depois poder conduzir.

Acompanhar, acompanhar e conduzir é uma ferramenta essencial dentro da Programação Neurolinguística. O Rapport como é chamado nos orienta a estabelecer uma relação de confiança com nosso interlocutor. O Rapport é a base para uma comunicação eficaz. Descobrir em que canal o outro se comunica, seus gestos, respiração e até mesmo a entonação da voz podem ser adequados para que nosso objetivo seja atingido e as informações de que precisamos possam fluir com mais facilidade. Mostre que ele só tem a ganhar em confiar no líder. Muitas vezes as pessoas se apegam mais no que vão perder do que no que vão ganhar. O desafio aqui é colocar todos na mesma direção e com o mesmo propósito. Dentro de uma equipe podem haver aqueles que consideram apenas mais um trabalho e aqueles que consideram o projeto como um salto em sua carreira. A importância dada por cada um é diferente nesse caso.

Líderes! Gostem de pessoas

“A tarefa da persuasão, do convencimento, é fazer gostar das pessoas em primeiro lugar” afirmou Robert Cialdini professor regente de psicologia na Universidade Estadual do Arizona e presidente do Influence at Work em sua palestra no Fórum Mundial de Negociação.

Em sua apresentação Robert Cialdini apresentou 6 princípios da influência e disse ainda: “São princípios tão básicos da natureza humana, tão centrais da era moderna, que você poderá usá-lo em todos os momentos de sua vida, no trabalho, na família e até mesmo com seus filhos”.

Vou agora detalhar esses princípios traçando um paralelo com a Programação Neurolinguística:

Reciprocidade – Saiba retribuir um favor. Na PNL encontramos diversas formas para validar o outro. Você pode exercitar sua escuta ativa, ouvir sem julgamentos e sem ficar formulando a o que vai falar depois. Apenas ouça e esteja sempre disposto a deixar a razão do outro lado. Não queira ter sempre razão, muitas vezes perdemos para o nosso egocentrismo e deixamos de aprender com as pessoas. Abra mão, flexibilize e procure sempre resolver as coisas da melhor forma possível para ambos saírem satisfeitos.

Escassez – As pessoas querem aquilo que não tem. Essa falta nos motiva a ir em busca de nosso objetivo. De ênfase a suas qualidades e principalmente as do colega. Todos somos seres únicos e cada um tem muito a contribuir um com o outro. O que não existe em você, pode haver de sobra no outro. Compartilhe experiências, use muito rapport e acima de tudo seja um ombro acolhedor naqueles momentos em que o outro mais precisa.

Autoridade – O líder deve passar confiança. As estratégias de motivação do líder devem ser diferentes para cada integrante do grupo, pois, as diferenças de crenças e valores são únicas em cada um. As pessoas precisam de um norte, um ponto e uma palavra para seguirem, caso isso não exista ficam perdidas e sem instruções. Saber separar o comportamento da pessoa é um recurso que a Programação Neurolinguística nos ensina a fazer com excelência. Muitas vezes criticamos a pessoa por um comportamento e rotulamos como sendo marca característica dela. Procure sempre também enfatizar o positivo sempre após o negativo. O emprego da palavra, “mas” é muito importante nesses casos. “Rodrigo você chegou atrasado hoje, mas continua sendo um excelente funcionário”.

Consistência – Ser consistente é tornar-se uma referência para o grupo. A Programação Neurolinguística em um dos pressupostos afirma que temos todos os recursos internos que precisamos. Confie na sua competência e na dos demais. Torne-os capazes para realizar as tarefas e sempre aumente a autoestima do grupo através de elogios e incentivos. Somos seres capazes de aprender, basta ter alguém disposto a ensinar.

Consenso – Se você acha que pode ou que não pode, em ambos os casos você está certo. A PNL surgiu da modelagem de atividades. Pessoas que desempenhavam bem suas funções foram estudadas e modeladas por Richard Bandler e John Grinder. Terapeutas e hipnólogos da época, entre eles Milton Erickson e Virginia Satir, foram amplamente avaliados. As estratégias desses gênios foram passadas a outros que por sua vez começaram a desempenhar as mesmas funções e a obter resultados parecidos. Os métodos de Milton Erickson hoje são ensinados graças a esse processo de modelagem desenvolvidos no surgimento da PNL. Seja curioso e pergunte para as pessoas que já vivenciaram determinada ativiadade. As experiências passadas são valiosas quando queremos obter resultados ainda melhores. No seu grupo seja observador, repare como alguém desempenha certa tarefa, pergunte como ela sabe que está alcançando seu objetivo, e esteja sempre atento.

Afinidade – As pessoas gostam de quem são parecidas com elas. Apegamo-nos a quem tem os mesmos gostos, prazeres, hábitos e valores. Saber acompanhar até descobrir do que o outro gosta é fundamental na comunicação. Voltamos aqui ao conceito mais importante da PNL, o Rapport. Descubra em que canal o outro se comunica, preste atenção às palavras que nosso interlocutor usa. Repare as pistas oculares e acompanhe gestos. Seja paciente e espere que o outro diga suas necessidades. Uma boa dica é se prender a um assunto em comum. Por exemplo, se descobrir que alguém gosta de cinema e que você também aprecia, prolongue um pouco mais e obtenha muitos pontos de concordância.

Construa projetos em torno de indivíduos motivados. Dê a eles o ambiente e o suporte necessário e confie neles para fazer o trabalho. “Manifesto Ágil”

Servidor Efetivo do Governo do Estado do Espírito Santo. Hoje eu sou Gerente de Processos de Projetos da Secretaria de Gestão e Recursos Humanos. Integro o time de Transformação Digital do Governo e sou responsável pelo Escritório Central de Processos. Sou agilista de coração e de profissão.

Mudando comportamentos usando PNL

rodrigo-zambon-mundo-agil-agile-mudando-comportamento-sando-pnlEm que são baseadas nossas escolhas? Por que adotamos este comportamento e não aquele? Experiências passadas, referências, crenças, nossa formação podem ser suficientes para responder estas questões. O fato é que as reações, nossas escolhas foram as melhores que tínhamos disponíveis naquele momento de decisão.

Todo comportamento tem uma intenção positiva para quem o pratica. Mesmo não sendo a melhor escolha social ou que vá agradar as pessoas a sua volta. Quem age tem uma causa, uma razão. Para a Programação Neurolingüística os motivos de um comportamento são sempre positivos.

Um dos pressupostos básicos da PNL chama-se flexibilidade. Procuramos expandir nosso mapa para termos mais escolhas e quanto mais as tiver, mais você estará livre e menos influência sofrerá. A PNL permite seu autodesenvolvimento e mudança. Você usa primeiro para mudar a si mesmo — “Quando eu mudo em mim o mundo muda para mim” — e em segundo lugar para ajudar a melhorar as pessoas que estão a sua volta. Quanto mais souber a respeito de si mesmo, mais poderá ajudar os outros. Exercitando nossa flexibilidade somos capazes de nos colocar em segunda posição. Segundo Joseph O´Connor (Manual da Programação Neurolingüística, Qualitymark, pág. 39), “estar em segunda posição é dar o salto criativo de sua imaginação para compreender o mundo a partir da perspectiva de outra pessoa, pensar de forma pela qual ela pensa”.

Comportamentos indesejados, reações recorrentes, a bebida, o cigarro apresentam, de alguma forma um ganho secundário. Algo que torne essa ação prazerosa. Às vezes esses comportamentos oferecem uma resistência maior à mudança. Uma boa opção é produzir escolhas, outras opções que possam fornecer o mesmo prazer que a atividade lhe proporciona. Toda grande mudança possui:

1- O Desejo — O seu desejo. Sinta-se merecedor daquilo. Você possui todos os recursos que precisa para atingir o nível de mudança desejado. Esta meta é possível e você pode chegar lá.

2- O Problema — Este é o estado atual. Como você se encontra agora. O que precisa ser mudado para a ecologia ser completa. Estabeleça um problema de cada vez e se esse for muito grande segmente-o para tornar-se mais fácil sua resolução.

3- A Boa Formulação de Objetivos — Nesta etapa você vai se programar. Traçar seu plano de ação para conseguir o resultado desejado. Liste todas as ações possíveis para você e não se esqueça da ecologia.

4- A Ação — A partir do plano traçado, chegou a hora da ação. Comece gradativamente e vá anotando todos os ganhos que você obter. Parabenize-se quando tiver um resultado positivo. Se for preciso use sua flexibilidade e altere o plano.

5- A Revelação — À medida que suas ações forem praticadas, seu comportamento automaticamente irá mudar. Você poderá não perceber, mas os outros a sua volta sentirão a mudança e lhe darão o feedback.

6- O Auto-Conhecimento — Aprenda com isso. Transforme a experiência negativa em recursos. Eles serão úteis para você e para os outros.
Possuímos três maneiras para orientar nossos pensamentos: (1) captar as informações do mundo externo, (2) lembrar das informações que já estão em nossa mente ou (3) construir uma informação a partir de fragmentos. O quadro abaixo mostra como podemos gerar comportamentos e ações:

FONTE
Fisiologia
Linguagem
Foco / Crença

CAUSA
Emoções
Sentimento
Estado

EFEITO
Comportamento/Ação

Com isso podemos organizar nossas ações e pensamentos em prol de uma mudança positiva. Comece pequeno, mas aja. Aja com eficácia, faça as coisas mais importantes primeiro e nós sabemos o que é mais importante. Você é o principal responsável pelo seu sucesso pessoal e profissional. Não fique esperando pela iniciativa alheia, tome você mesmo a responsabilidade pelos seus desejos, movimente o leme e mude o curso para navegar o rio da vida.

Servidor Efetivo do Governo do Estado do Espírito Santo. Hoje eu sou Gerente de Processos de Projetos da Secretaria de Gestão e Recursos Humanos. Integro o time de Transformação Digital do Governo e sou responsável pelo Escritório Central de Processos. Sou agilista de coração e de profissão.